Ciências da Terra e da Vida

Geografia

 

Apresentação do Rio Tejo

 

Autor: Equipa knoow.net

Data de criação: 01/10/2008

Contributos: Este verbete não recebeu quaisquer contributos. Se é especialista nesta matéria e acha que pode melhorar esta página contacte-nos para o nosso mail: knoow.net@gmail.com.

Resumo: Apresentação do Rio Tejo...  ver mais

Palavras chave:  geografia, Ourém

 

Rio Tejo

| A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z |

Caracterização do Rio Tejo

Com cerca de 1.007 km e uma bacia hidrográfica com mais de 80.000 km2 (dos quais quase 25.000 km2 em Portugal e os restantes em Espanha), o rio Tejo é não apenas o maior rio português, mas também o maior rio da Península Ibérica. Nasce em Espanha, na serra de Albarracim a 1.593 metros de altitude e desagua no oceano Atlântico, próximo de Lisboa. Ao longo do seu percurso recebe as águas de importantes rios portugueses e espanhóis, entre os quais o Erges, o Ponsul, o Ocreza, o Zêzere, o Sever, o Nisa, o Sorraia, o Almançor, o Maior, o Coina e o Trancão e banha importantes cidades tais como Toledo e Aranjuez em Espanha e Abrantes, Santarém, Vila Franca de Xira e Lisboa em Portugal. Junto à sua foz tem um dos maiores estuários da Europa (conhecido como o Mar da Palha), com cerca de 320 km2 desde a embocadura até Vila Franca de Xira, um comprimento de 50 km e uma largura máxima de 15 km.

 

Percurso:

Nascente: a nascente do rio é na serra de Albarracim em Espanha, num local conhecido como Fuente de Garcia, a 1.593 metros de altitude. A serra de Albarracim faz parte dos Montes Universales, um importante sistema montanhoso situado no extremo ocidental do Sistema Ibérico e que faz a separação entre as bacias hidrográficas atlânticas e as bacias hidrográficas mediterrânicas.

Alto Tejo: A primeira parte do percurso do Tejo é no sentido sul-noroeste, deslocando-se num percurso com grande desnível e entre profundas gargantas, até encontrar o seu primeiro afluente a cerca de 10 km da sua nascente, o rio da Hoz Seca. Alguns quilómetros mais à frente recebe as águas do rio Gallo e de outros pequenos rios, também eles nascidos no Sistema Ibérico. A riqueza natural desta zona levou a que, no ano 2000,  tivesse sido o Parque Natural do Alto Tejo, uma zona protegida com mais de 105 mil hectares.

Médio-Alto Tejo: Quando chega à região espanhola da Comunidad de Madrid, o Tejo desceu já a uma cota de 600 metros. Nesta região recebe diversos outros afluentes provenientes na sua maioria dos Montes de Toledo e atravessa a histórica cidade de Toledo. No final do seu percurso na região de Toledo é atravessado pela ponte de Alcântara, uma ponte monumental de oito arcos construída em estilo gótico.

Médio-Baixo Tejo: À saída da província de Toledo, o Tejo atinge uma cota de 320 metros e entra no seu percurso médio-baixo, quase todo ele feito na província espanhola da Estremadura. Aqui, e já perto da fronteira portuguesa, as suas águas são retidas pela grande barragem de Alcântara e pouco depois é atravessado pela monumental ponte romana de Alcântara construída no ano de 106 por ordem do imperador Trajano. Pouco depois marca a fronteira entre Portugal e Espanha num troço de cerca de 43 km. No início desse troço recebe as águas do Erges e no seu final as águas do Sever.

Baixo Tejo: Já em território português e próximo de Vila Velha de Ródão, atravessa as Portas de Ródão, uma bela formação geológica que resultou do desgaste de uma antiga queda de água aí existente. A chegada a esta região, numa cota de 61 metros, marca a entrada do Tejo no seu curso baixo. É nesta fase do seu percurso que o rio recebe as águas de importantes rios como o Sorraia e o Zêzere e atravessa a vasta planície ribatejana, banhando importantes cidades como Abrantes, Santarém e Vila Franca de Xira.

Foz: Antes da sua entrada no Atlântico, a ocidente de Lisboa, o Tejo forma um vasto estuário com cerca de 320 km2, conhecido como o Mar da Palha.

 

Ver Rios de Portugal