Estou aqui: Cronologia

Cienciais Económicas e Empresariais

Economia

Conceito de Concorrência Perfeita

Autor: Paulo Nunes

Data de criação: 14/09/2007 / Revisto em 12/06/2012

Contributos: Este verbete não recebeu quaisquer contributos. Se é especialista nesta matéria e acha que pode melhorar esta página contacte-nos para o nosso mail: knoow.net@gmail.com.

Resumo: Apresentação do conceito Concorrência Perfeita e das condições necessárias para que se verifique...  ver mais

Palavras chave:  economia, globalização, mercado, concorrência perfeita

Com o apoio da PCNunes - Consultores de Gestão, Lda

 

Concorrência Perfeita

| A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z |


Conceito de Concorrência Perfeita

A Concorrência Perfeita (em PT-BR, Competição Perfeita) corresponde a uma situação de mercado limite em que nenhuma empresa e nenhum consumidor têm poder suficiente para influenciar o preço ou a quantidade transacionada. Assim, numa situação de concorrência perfeita, cada empresa age individualmente sem necessidade de ter em conta as decisões das restantes, limtando-se a observar o preço praticado no mercado e a decidir que quantidade deseja vender a esse preço.

Para que tal situação se verifique é necessário que se verifiquem determinadas condições, nomeadamente:

  • Existência de um grande número de empresas a produzir o mesmo produto ou serviço (bem), com dimensão e estrutura de custos semelhante e com igual acesso à informação, à tecnologia e aos factores de produção;

  • Existência de um grande número de consumidores e todos com a mesma informação disponível sobre a oferta existente no mercado;

  • Existência de homogeneidade nos produtos ou serviços oferecidos no mercado;

  • Inexistência de barreiras à entrada ou à saída de empresas no mercado;

  • Não intervenção do Estado no mercado, deixando que as leis da oferta de da procura funcionem livremente.

Nestas condições, cada uma das empresas concorrentes enfrenta uma curva da procura horizontal, ou seja, perfeitamente elástica (ver elasticidade procura preço), não existindo, por isso, qualquer incentivo para praticar um preço diferente do preço de mercado. De facto, se uma empresa individualmente praticar um preço mais elevado do que o preço de mercado, perderá imediatamente toda a procura que lhe é dirigida pois os produtos e serviços são perfeitamente homogéneos e os consumidores têm informação perfeita sobre a oferta existente; por outro lado, se a empresa decidir praticar um preço mais baixo do que o preço de mercado também não resistirá muito tempo pois, numa situação de concorrência perfeita, o preço de mercado corresponde a uma situação de lucro económico nulo, pelo que um preço mais baixo originará uma acumulação de prejuízos não sustentáveis no longo prazo.

A longo prazo, se existirem lucros anormais, isto é, lucros acima do lucro económico zero, tal atrairá novas empresas (dado que não existem barreiras à entrada) levando a um aumento da oferta e, consequentemente, a uma redução do preço de mercado, repondo o lucro económico em zero. Da mesma forma, se o lucro económico descer abaixo de zero, deverão começar a sair empresas (dado que não existem barreiras à saída) originando uma redução da oferta e, por isso a um aumento do preço de mercado, repondo novamente o lucro económico zero.